domingo, 5 de dezembro de 2010

EU, MAR(CIA)


há dias assim:
liberta do peso do corpo
queria experimentar a fruição total de ser pura alma
pura insubstância
só energia
matéria-free

desfazer-me em cores
em sons e cheiros
epalhar-me, melodia, pelo ar
seguir, seguir
sempre adiante, sem volta
- sem ceder à tentação da volta -
até estar totalmente diluída
tornar-me parte do azul do mar

2 comentários:

Minês disse...

Amei, querida!
Mais uma faceta mar-avilhosa!!!

bjs!
Minês

Thales Rafael disse...

Lembra muito Cecília Meireles e suas odes maravilhosas as propriedades do mar. Mas qual alma cheia de poesia já não quis misturar-se a esse azul e permanecer à deriva de tão poderoso gigante.

Gostei da matéria-free. Suas poesias tem imagens e ritmos muito genuínos. Talentosíssima.

Abraço.