terça-feira, 5 de janeiro de 2010

poiesis

põe palavras no tear
e faz-se aranha
a enredar
pelas teias da poesia
parvas moscas
presas certas
captura-as
que deglutidas
suas asas transparentes
lentamente digeridas
serão também um dia
fios de som, de letra e rima
a formar
caleidoscópico sentido

assim um verso é concebido
'

4 comentários:

Ju Blasina disse...

Linda essa metapoesia!
Beijus

Renata de Aragão Lopes disse...

versos feitos
de presas aladas
capturadas

bravo!

Marcelo Novaes disse...

Márcia,


Sim. Em ato-predatório-bem-(entre-)tecido.






beijos,






Marcelo.

Guilherme Augusto Rodrigues disse...

Creio que seja a concepção de uma poesia. Acho não, é. Muito bem descrito. :D