terça-feira, 1 de junho de 2010

redemoinho


viria bem um pouco de silêncio
uns momentos de calmaria pacífica
como águas ordenadas e azuis
ou areias plácidas sem vento
paisagem presa na imobilidade
sem tempo

seria bom o contrário do brusco
o oposto da dor ou do grito
umas horas de delicadeza suave
de toque sutil, de sussurro
de olhar repousado no infinito

seria justo suprimir o suplício
atenuar rugas, recobrar sorrisos
seria lindo recuperar o abraço
a alma tão certa do encontro
lançar-se em flâmeos no abismo

viria bem suspender as lembranças
calar a voz rouca que de outrora ecoa
congelar a saudade mortífera
que condena os corpos ao sacrifício

seria bom encontrar a saída
do labirinto de sombras
que teima em retornar
continuamente ao início


`
imagem: Marinha - Seascape, Rogério Santana
fonte da imagem: http://3.bp.blogspot.com/_RXe7fuETYi4/S8jddFIQxCI/AAAAAAAAAfc/x1rrilUxSWY/s1600/mar+verde0001.jpg

3 comentários:

Rachel disse...

Oh liebe Marcia,

wie wundervoll passt alles zusammen, Bild und deine Worte, ich bin begeistert...

herzlichst, Rachel

Joe_Brazuca disse...

seria muito bom, se tua sensibilidade se espargisse à todos, com a força e rotina de um redemoinho...

"superbe", poetisa !

bj

Israel_AS disse...

Seria... ia ia...

A vida recusa nossos desejos
Ou nós não os buscamos bem?
Se queremos paz e paz não vem...

Seria má sorte coisa real?
Não. Sou eu que não corro,
Não caço a vida-trem...

Israel Silva

http://pensassonhos.blogspot.com/


Gostei muito dos seus poemas!