domingo, 20 de novembro de 2011

PRESÊNCIAS


procuro desimportâncias
e, do fundo da gaveta empoeirada, eles emergem:
os sorrisos!

ah... tanto tempo sem vê-los, tanto tempo...

como?
estiveram sempre aqui
têm estado sempre em mim
vejo-os no espelho
nas sombras do adormecer
nos sonhos
no lapso que o olhar produz
quando um rosto estranho
parece-me subitamente tão familiar
em meio à multidão quase homogênea...

os sorrisos e os olhares:
vejo-os
mas o que me falta, mesmo,
o que me falta cotidianamente
o que dói de tanto que falta
são os sons
são as vozes:
suas vozes familiares, doces, macias
chamando-me em tons diversos
sempre queridas

'

3 comentários:

Patrati disse...

Que lindo!!! De arrepiar!!!

AyA! disse...

MÁrcia, vi seu link numa comunidade e de fato amei seu blog, escreve com um ar melancólico que também escrevo e isto deixa algo sentimental e bonito.

caso deseje visite-me : http://umarealidadeemtonsdecinza.blogspot.com/

acredito que gostará, e espero que sim ^^

Cinthia Kriemler disse...

Eu sou muito sua fã. Que texto bonito. É um caminho de volta da solidão.