quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Ecdise

Marcia Szajnbok
`
Abriu os olhos e iniciou a contagem regressiva: 30, 29, 28... Quando pensou – “zero!” – o despertador tocou. Sorriu, orgulhoso da própria precisão. Tomou a agenda, já aberta na data correta sobre o criado-mudo, marcou a lápis um pontinho e, no canto da página, contabilizou 1567: um mil e quinhentos e sessenta e sete dias - há quase cinco anos, seu relógio biológico mantinha-se absolutamente exato!
Sem acender as luzes, pegou roupas limpas. A monotonia dispensava iluminação: todas as camisas eram brancas, todas as cuecas cor da pele, as calças e as meias eram pretas, sem detalhes. O café da manhã tampouco comportava surpresas. A mesa já ficava sempre pronta na noite anterior, a torradeira a postos, café-com-leite, pão e manteiga.
O percurso de casa ao trabalho era sempre feito a pé. Da porta do apartamento ao elevador do prédio de escritórios, 648 passos. Divertia-se em fechar os olhos em alguns trechos do caminho e, apenas pelo controle numérico, adivinhar onde estava. “Bingo!”, festejava consigo mesmo sempre que acertava. E acertava sempre. Por isso, aquela manhã de quarta-feira foi um verdadeiro divisor de águas em sua vida matematicamente controlada.
Após atravessar a avenida, deveria seguir 44 passos e então virar à direita. Decidiu fazer ali a brincadeira dos olhos fechados. Foi seguindo, firme e convicto, 43, 44... e bateu de cara num obstáculo! Demorou alguns segundos para compreender que aquilo era um tapume. Surgido da noite para o dia, fechava o acesso à rua onde trabalhava. Destacado do fundo roxo e preto, o aviso amarelo ordenava “Desvio”, a seta autoritária apontando para a esquerda.
Atônito, não se movia. Estava ali, mergulhado no próprio desamparo, quando ouviu a risada. Bem a seu lado estava a moça, rindo. Como jamais falava com estranhos, apenas dirigiu a ela um olhar interrogador: está rindo do quê? E ela, que falava muito, e sempre, até mesmo quando não tinha interlocutor, foi respondendo à questão não proferida:
- Machucou? A gente tem que tomar cuidado. Nesta cidade todo dia aparece um buraco novo, ou um poste, ou um muro. Outro dia, eu estava indo para casa e...
Sem conseguir prestar atenção a tudo o que ela dizia, foi se deixando levar apenas pelo tom de sua voz melodiosa e alegre. Era uma moça bonita, morena, esguia, os olhos transbordavam expressão.
- Você vai ficar aí parado? Vem, vamos tomar um café.
E ele foi. Sem contar os passos, sem saber exatamente para onde, deixou-se ir com ela. As palavras lhe escapavam. O que o mantinha como que hipnotizado eram os movimentos. Ela andava gingando o quadril, movia as mãos enfatizando as frases, arregalava os olhos, jogava o cabelo para trás com um movimento serpenteante do pescoço. Estava impressionado com aquele corpo – tudo nele comunicava.
No balcão da padaria, ela pediu: dois cafés. Puros? Sim, puros. E ele apenas assistiu à cena, esquecido por um momento de que, até então, sempre pedia um pingado. Saboreou o amargo da bebida quente, e o cheiro que subia da xícara misturou-se ao perfume da moça e ao aroma de pão recém assado.
Talvez tenha sido o excesso de cafeína e de olfato, talvez o exagero de expressividade que emanava daquela moça, ou o burburinho emocional que o invadia naquela manhã atípica. O mal-estar surgiu de repente. Começou a suar frio, esfregava as mãos procurando a porta com o olhar. Tinha ímpetos de sair correndo, mas achava que, se levantasse, iria desmaiar. Uma espécie de formigamento percorria-lhe todo o corpo. Tentava se concentrar: não perca o controle, não perca o controle... O estômago se contorcia, o mundo todo girava. Não conseguiu evitar. O vômito veio num jato. Sujou os próprios sapatos, o balcão da padaria, os pés da moça. Todos os olhares, enojados, reprovavam-lhe severamente aquele ato. Tinha ganas de gritar, de justificar, de explicar que não fizera aquilo de propósito, que sentia muito, que nunca passara por uma situação como aquela...
Nunca passara por uma situação como aquela. Esse pensamento reverberava Via-se menino comportado, adolescente contido, adulto regrado. Sempre tivera o esmero de manter tudo em ordem, a casa, o armário, os estudos, a vida. E agora, isto! De que adiantara tanto esforço? Para que servira ter aberto mão de tanta coisa? Dietas balanceadas mesmo diante do sorvete mais apetitoso, a recusa automática a todos os desafios que lhe haviam proposto, a pontualidade levada germanicamente a sério. Nenhum amigo íntimo demais, não se pode confiar muito nas pessoas. Nenhum enamoramento, a paixão nos desvia do bom equilíbrio. Nenhuma explosão de ira, a violência nos aproxima dos seres irracionais. Nunca passara por uma situação como aquela. De fato, nunca passara por situação nenhuma. E agora, toda a assepsia da vida parecia ter ido por água abaixo, mergulhada no mais prosaico dos produtos que um corpo humano pode produzir.
Foi, novamente, o riso da moça que o acudiu.
- Ressaca em plena quarta-feira? Mal, hein?!
Conduzido por ela, entrou no cubículo escuro e malcheiroso que era o banheiro da padaria. Havia apenas o vaso sanitário e uma pia minúscula, sem sabonete, papel higiênico ou toalhas. Abriu ao máximo a torneira, esperando um jato de onde só saía um filete de água. Precisava apenas lavar a boca, mas tinha necessidade de limpar-se por inteiro. Começou pelo rosto e cabelo. Depois, tirou a camisa e jogou água fria no peito. Mecanicamente, foi se despindo por completo, molhando todo o corpo. Comprazia-se da sensação provocada pela água escorrendo sobre a pele. Aquela limpeza sem sabão lembrava mais um batismo que um banho. Tremia, um pouco de frio, um pouco não sabia do quê.
Do lado de fora, a moça se impacientava. Bateu e, sem esperar resposta, entreabriu a porta. Quando deu com o homem nu, arregalou um pouco os olhos, sorriu maliciosamente e entrou. Antes que ele tivesse tempo de dizer ou fazer qualquer coisa, a moça já havia levantado a saia, tirado as roupas de baixo, e se pendurado em seu pescoço, enlaçando-o com as pernas pelo quadril. A cena insólita era bonita: um casal jovem, amando-se assim, de improviso, em pé, como bichos. Pareciam se conhecer de longa data, tanto que os gestos se entendiam. Não havia lugar para palavras. Apenas movimentos, toques, sensações. Ao final, ainda ficaram ali abraçados, conectados um ao outro, em silêncio, tentando, cada um, reter no próprio corpo a memória do gozo do outro.
Foi ela, novamente, que pôs a vida em marcha.
- Melhor você se recompor. Quase num movimento único, vestiu-se, beijou-lhe de leve o rosto, e saiu.
Menos de cinco minutos depois, também ele retornava ao mundo real. Não deu muita importância aos risinhos de canto e aos olhares divertidos que trocavam os funcionários da padaria. Procurou-a junto ao balcão, na calçada, do outro lado da rua. Nada. Desaparecera no meio da correnteza humana que se deslocava pela avenida no meio da manhã. Pensou que estava bem atrasado para o trabalho, e que nunca antes havia faltado a nenhum compromisso profissional. No céu azul, nenhuma nuvem. Deixou-se ir, anônimo no meio da turba, sem saber exatamente para onde os passos o levariam. Viu-se refletido na vitrine de uma loja. Diante da estranha sensação de reconhecimento e perplexidade, sentiu vontade de rir. De início, até procurou conter-se, mas depois deixou o riso vir. Veio tímido, depois foi crescendo, explodiu numa crise de gargalhadas, daquelas que fazem os olhos se encherem de lágrimas. Os passantes olhavam, curiosos, e quanto mais se via observado, mais gargalhava. O dia estava lindo. Queria caminhar. Estava livre, e naquele instante lhe bastava isso: caminhar e sentir o calor do sol.

2 comentários:

Ademir Furtado disse...

Gostei do teu conto. Criativo e bem escrito.
Descobri teu blog pelo teu perfil no Orkut,e como gosto muito de contos vou visitar sempre.
Parabéns
Ademir

Alfredo disse...

"Os olhos transbordavam expressão."
Achei o máximo.
Lindo.